Miriam Marroni

Miriam Marroni é natural de Pelotas, nasceu e cresceu no Areal Fundos, região do bairro que é conhecida como Cacimba da Nação. É casada com o ex-prefeito e deputado federal Fernando Marroni. Aos 60 anos de idade, tem duas filhas, Camila e Otávia, e uma neta, Maria Eduarda.

Filha da professora da rede estadual Aida Paz Garcez e do mecânico industrial Wildeman Garcez, seguiu os passos dos pais. Da mãe herdou a vocação para trabalhar com jovens, sendo psicóloga especialista em educação do Instituto Federal Sul-rio-grandense. Do pai, carrega a defesa dos ideais de esquerda, o que a incentivou a abraçar a militância política.

Nos anos 80 ingressou no movimento sindical através da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e filiou-se ao Partido dos Trabalhadores (PT). Em 1990 tornou-se a primeira mulher a alcançar a presidência da Associação dos Funcionários da Universidade Federal de Pelotas (Asufpel).

Quatro vezes vereadora em Pelotas, Miriam firmou-se como uma liderança regional no Sul do Estado em defesa dos direitos humanos, combatendo a violência doméstica e as discriminações de etnia e gênero. Criadora do grupo Mães Contra o Crack, é voz ativa em busca de melhorias no sistema de tratamento de usuários de drogas, bem como no suporte aos familiares.

Após concorrer a deputada estadual em 2002 e eleger-se como suplente, assumiu dois anos de mandato entre 2005 e 2006. Neste período, foi a principal articuladora política junto à então ministra de Minas e Energia Dilma Rousseff para a implantação do Polo Naval de Rio Grande e manteve postura combativa contra o sistema de exploração das rodovias federais no RS, instaurando a CPI dos Pedágios.

Em 2010 foi eleita para uma nova legislatura na Assembleia com 45.450 votos, sendo a candidata a deputada mais votada da história de Pelotas. Líder do governo Tarso Genro no Palácio Farroupilha em 2011, foi responsável por negociar a aprovação de 100% das propostas enviadas pelo Executivo, assegurando a reforma estrutural necessária para que o RS voltasse a crescer. Em 2012 assumiu a Secretaria Geral de Governo, atuando no gerenciamento dos programas e projetos estratégicos do Estado.

Com o trabalho reconhecido pelo povo gaúcho e recebendo votos em mais de 180 municípios, Miriam foi reeleita em 2014. Em seu novo mandato, dá continuidade às ações nas áreas de direitos humanos, desenvolvimento regional e fortalecimento da agricultura familiar.