Economia

  • Segundo o ‘New York Times’, presidente americano não pagou imposto de renda por pelo menos 11 anos. Sonegação de imposto já foi publicamente defendida por Jair Bolsonaro: “conselho meu e eu faço: eu sonego tudo que for possível. Se puder, não pago (imposto) porque o dinheiro vai pro ralo”, afirmou Bolsonaro quando era deputado federal. “Prego sobrevivência. Se pagar tudo o que o governo pede, você não sobrevive”, justificou o líder de extrema direita. Em março deste ano, Bolsonaro também afirmou que a Receita Federal “atrapalha” o desenvolvimento do país
  • Paralisia da máquina pública e política dura de ajuste fiscal – perseguidos por Temer e Bolsonaro – só têm trazido sofrimento à maioria da sociedade. “Na atual conjuntura, a retomada das regras de gastos em 2021 é o principal obstáculo à recuperação da economia brasileira”, explica o líder do PT no Senado, Rogério Carvalho. Ele apresentou uma Proposta de Emenda Constitucional assinada por mais de 30 senadores.
  • Fuga histórica de capitais estrangeiros é mais um fato a desmentir Bolsonaro. Saída recorde de US$ 15,2 bilhões (R$ 84,5 bilhões) nos primeiros oito meses de 2020 reflete o negacionismo do presidente na relação com a pandemia de Covid-19, a falta de direção plausível na condução da economia e o desmonte deliberado da estrutura federal de preservação ambiental
  • Em artigo, o líder da bancada do PT na Câmara dos Deputados, Enio Verri, defende que a ampliação do Mais Bolsa Família atenderá muito mais pessoas, com mais recursos, e crítica os ataques do governo. Para Verri, “punir os mais pobres e vulneráveis eliminando o principal instrumento de superação das condições de pobreza e extrema pobreza é injusto, é mesquinho, é cruel”
  • Para viabilizar a volta da CPMF, o governo pretende impor cortes em contribuições do Simples Nacional e do Sistema S, responsável pela oferta de serviços que atendem as populações mais vulneráveis. No Sistema S, alíquotas pagas por empresas sobre cada salário acima de um salário mínimo sofreriam redução de 40%, segundo reportagem da ‘Folha’. No caso do Simples Nacional, redução de benefícios tributários levaria mais prejuízo a empresas que já estão sofrendo efeitos do sufocamento imposto pelo governo por falta de crédito
  • A plataforma convoca os brasileiros para assinarem o pedido de urgência de votação do projeto Projeto de Lei 4086/20, que está na Câmara dos Deputados desde 5 de agosto aguardando votação. Nova versão do programa criado por Lula eleva benefício para R$ 600 e propõe incluir 30 milhões de pessoas entre beneficiários. O ex-presidente Lula é o primeiro signatário do pedido