Saúde

  • Em audiência na Comissão Mista de Acompanhamento da Covid-19 no Senado, nesta quarta-feira (2), líder da bancada petista questionou representantes do Ministério da Saúde sobre razões para a imunização de grupos prioritários, como prevê o plano preliminar da pasta, e não de toda população. “O Brasil tem um programa nacional de imunização muito consistente, e é uma referência no mundo inteiro. Então não entendo porque excluir algumas parcelas da população, considerando a gravidade da Covid-19”, cobrou o senador
  • Alta de infecções no País, que ocupa o 3º lugar no mundo em número diário de transmissões, volta a pressionar sistema de saúde, com aumento da ocupação de leitos. Estado de São Paulo retorna à ‘zona amarela’ e novas restrições e medidas de distanciamento. “O Brasil precisa levar muito, muito a sério esses números [de novos casos]. É muito, muito preocupante”, alerta o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus. Nesta terça-feira (1º), o Brasil registra 6,3 milhões de casos e 173.229 mortes
  • Lewandowski cobra do governo federal um plano para a imunização ao Covid-19. Ministério da Saúde segue sem planejamento, enquanto a crise se agrava. Número de mortes no Brasil ultrapassa 170 mil casos, ante o silêncio criminoso do Palácio do Planalto. “Alguém tem dúvidas de que o caso dos quase 7 milhões de testes pra Covid-19 desperdiçados pelo governo é motivo para impeachment?”, cobra Gleisi
  • Menos de 48 horas depois de suspender exames clínicos com a Coronavac, agência de vigilância sanitária brasileira diz que medicamento pode ser retomado e recua na decisão, vista como posição política para agradar o líder da extrema-direita. Presidente se desmoraliza perante o Brasil e o mundo, depois que o STF cobrou explicações do governo. O líder Rogério Carvalho volta a criticar o inquilino do Planalto: “Mais uma vez o desrespeito dele à vida fica para a história com a morte de quase 163 mil brasileiros”
  • Jornais influentes como o inglês ‘The Guardian’ e o americano ‘New York Times’ ressaltam a declaração de ‘vitória’ de Bolsonaro diante da suspensão dos testes da Coronavac. Críticos apontam que o líder da extrema-direita está tentando tirar proveito político da situação e especialistas estranham a falta de explicações técnicas para a decisão da Anvisa. País já tem 162 mil mortos pelo novo coronavírus
  • Ex-ministro e presidente da Fundação Perseu Abramo condena a conduta do presidente da República, que comemorou nesta terça-feira a morte de um paciente que testava medicamento chinês. “A vacina vai levar o Bolsonaro ao caminho do impeachment. Ele não pode continuar prejudicar o povo brasileiro, celebrando a morte”, aponta. Paciente teria cometido suicídio, de acordo com o IML, afastando a hipótese de efeito colateral. Anvisa suspendeu os testes da Coronavac, desenvolvida pelo Butantan em parceria com laboratório chinês
  • Um dia após a eleição americana, os EUA bateram recorde de novos casos de coronavírus, registrando 103 mil infecções e mais de mil mortes em 24 horas. Nesta quinta-feira (5), o país ultrapassou a marca de 240 mil mortos e se aproxima de 10 milhões de infecções, com 9,8 milhões de americanos contaminados. Especialistas preveem inverno “doloroso”. Na Europa, óbitos subiram 43% em sete dias. Brasil volta a registrar alto número de vítimas fatais na quarta-feira (4), quando foram computados 622 óbitos
  • Um abaixo-assinado encabeçado pelo Conselho Nacional de Saúde (CNS) por mais recursos para o SUS já conta com mais de 550 mil signatários. Objetivo do colegiado, vinculado ao Ministério da Saúde, busca pressionar o Congresso para manter o atual orçamento emergencial de R$ 35 bilhões para 2021