Área PT
Posts arquivados em

Em defesa do SUS

  • Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal, formado por nove governadores, aponta que apenas 3 mil dos 23 mil leitos do SUS que estavam ativos em 2020 estão funcionando na região. “Enfatizamos que, neste momento, é vital a retomada da habilitação de leitos no âmbito do SUS, sob pena de se agudizar o problema do subfinanciamento em meses decisivos no enfrentamento à pandemia”, alerta o consórcio. Planalto se omite e empurra problema para pastas da Saúde e Cidadania. Em fevereiro, Ministério da Saúde reduziu pela metade a oferta de leitos a estados e municípios
  • Em resposta ao caos econômico e sanitário causado pelo desgoverno Bolsonaro, Setorial Nacional de Saúde e Comissão Executiva do partido apresentaram conjunto de medidas para enfrentar crise no último dia 22. “O orçamento federal falha na obrigação de manter e ampliar equipes de saúde, abastecer as redes e fortalecer o parque industrial nacional para produção de vacinas em quantidade suficiente para atender toda a população e isola-se no campo internacional no momento em que o mundo se une para sobreviver a pandemia”, aponta nota técnica
  • Conselho Nacional de Saúde entregou, nesta terça-feira (15), no Congresso Nacional, petição com 600 mil assinaturas pedindo a manutenção do orçamento emergencial do Sistema Único de Saúde (SUS) em 2021. “Só um Sistema Único de Saúde (SUS) mais forte pode salvar vidas e criar ambiente para recuperar a economia”, afirmou o ex-ministro da Saúde e deputado federal, Alexandre Padilha, durante o ato de entrega do documento
  • “A perda prevista para 2021 deve interferir de forma drástica em inúmeras ações do Sistema Único de Saúde, visto que haverá demanda reprimida diante da pandemia, além da ausência de recursos para manutenção do legado adquirido”, alerta a Comissão de Orçamento e Financiamento (Cofin) do Conselho Nacional de Saúde (CNS). Propaganda enganosa do Ministério da Saúde omite baixa execução orçamentária de recursos emergenciais para o combate à pandemia. Há recursos não empenhados desde abril
  • Proposta orçamentária de 2021 será entregue ao Congresso Nacional no fim do mês e retoma Teto de Gastos estabelecido pela Emenda 95, responsável pelo corte de R$ 20 bi entre 2018 e 2020. Petição Pública lançada pelo Conselho Nacional de Saúde defende um piso emergencial de R$ 168,7. “Reconhecer a importância do SUS requer, no curto prazo, a aprovação de um piso emergencial para 2021 que evite perdas bilionárias”, afirmam especialistas. Em função da pandemia, o país necessita de mais serviços públicos de saúde, tanto por razões sociais como econômicas, justificam. “O Congresso Nacional não pode ficar de costas para os anseios da sociedade”, alertam Bruno Moretti, Carlos Ocké e Francisco Funcia, em artigo
  • Em coletiva, ministro da Saúde afirma que irá conversar com o setor hospitalar privado quando a situação chegar ao “limite”. Sociedade civil pressiona por liberação de leitos privados. Especialistas da Unicamp e da Fiocruz alertam: “Situação de emergência sanitária requer atuação da autoridade pública para salvar vidas”