Área PT

Paulo Guedes

Natural de São João das Missões (MG), Paulo Guedes foi eleito para a Câmara dos Deputados com 176.841 votos. Exerceu três mandatos na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, cargo para o qual foi eleito em 2014 com 164.831 votos, a maior votação no estado. Ex-vereador por três mandatos no município de Manga, Norte de Minas, Guedes também foi coordenador estadual do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs-MG).

O petista foi candidato a prefeito de Montes Claros, em 2012. Após iniciar a disputa com 1,8% das intenções de voto, Guedes venceu o primeiro turno com 50.902 votos, quase 29% do eleitorado. No segundo turno, teve 82.478 votos, ou 44%, e ficou em segundo lugar no pleito. A convite do governador de Minas, Fernando Pimentel, comandou recentemente a Secretaria de Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Sedinor).

Paulo Guedes é professor, casado e pai de três filhos. Nasceu no município de Manga, no Norte de Minas, onde começou sua vida política, aos 20 anos de idade. Foi vereador por três mandatos e presidente da Câmara em duas oportunidades. Entre 2001 e 2004, atuou como presidente da Associação dos Vereadores da Área Mineira da Sudene (Avams) e, entre 2002 e 2004, como diretor da União de Vereadores de Minas Gerais (Uvemig). Em 2003, assumiu a Coordenadoria Estadual do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs-MG) e realizou ações importantes de convivência com seca na região.

 

  • Ministro da Economia aposta na pura dissimulação ao dizer que prioridade é “primeiro a saúde”, enquanto articula tropa neoliberal para dizimar no Congresso R$ 35 bi de recursos ao SUS e aprovar auxílio de menos da metade do que o necessário para milhões de famílias sobreviverem. Bolsonaro sobe tom em ameaça a estados e governadores voltam a cobrar governo por vacinas. “Governadores, prefeitos, movimentos sociais, empresários, universidades, toda a sociedade civil precisa tomar as rédeas do combate à pandemia no Brasil”, defende o líder da bancada do PT na Câmara, Bohn Gass (RS)
  •  De acordo com o ministro Paulo Guedes, que voltou a ser chamado de “Posto Ipiranga” por Bolsonaro, o governo está examinando como reduzir a tributação do setor elétrico e do combustível. “O peso do estado é muito grande. A orientação do presidente desde o início é vamos desonerar, reduzir, simplificar, tirar o Estado do povo”, como registrou o Ministério da Economia em seu perfil de Twitter, depois retirado do ar
  • No início do ano, 12,8% da população passou a viver com menos de R$ 246 por mês, segundo dados das Pesquisas Nacionais por Amostra de Domicílios (Pnads) Contínua e Covid-19. Sem vacinas a curto e médio prazo nem um pacote de estímulos à economia, quadro de miséria será agravado, especialmente entre os jovens
  • Micro e pequenas empresas são asfixiadas pela falta de política do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes, para o setor. Segundo o IBGE, o Brasil completou o quinto ano seguido em que mais empresas fecharam do que abriram. Retomada do Pronampe segue atrasada e governo dificulta acesso a crédito
  • Sob pressão crescente de vários setores sociais pela retomada do auxílio emergencial, ministro da Economia manda recado via assessores: essa será uma das “últimas alternativas” em seus “amplo cardápio de medidas”. “Isso tem nome, desumanidade!”, respondeu a presidenta do PT Gleisi Hoffmann em seu perfil no Twitter
  • A presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann, criticou duramente a proposta gestada no gabinete de Guedes para permitir a cobrança de uma taxa pela valorização de imóveis declarados no Imposto de Renda (IR). “Aumentar cobrança de impostos sobre imóveis. Essa é a mágica de Guedes para o ano da virada?”, ironizou a Gleisi em sua conta no Twitter
  • Congresso aprovou nesta quarta-feira (16) Projeto da LDO de 2021 com salário mínimo de R$ 1.088. Este será o terceiro ano consecutivo em que o piso será reajustado sem ganho real. Em 2019, Bolsonaro extinguiu de vez a política de valorização implantada nos governos do PT. Para o Dieese, o valor proposto pelo Executivo é menos de um quarto do necessário para uma família de quatro pessoas
  • Índice de Atividade Econômica do Banco Central registra alta bem abaixo das expectativas e baixa de 4,92% no acumulado até outubro. Em 12 meses, o indicador encolheu 3,93%. Níveis de confiança dos empresários e dos consumidores também caem, pelo terceiro mês consecutivo