Área PT
Posts arquivados em

entrevista Lula

  • Em entrevista ao ‘El País’, ex-presidente reafirma importância do legado do PT na disputa eleitoral e defende que é preciso avançar com apresentação de novas propostas pelo partido. “Aqueles que achavam que o PT tinha acabado em 2016 foram os mesmos que se assustaram com a performance do companheiro Fernando Haddad em 2018, mesmo ele começando a campanha a 20 dias das eleições”, advertiu Lula. “As pessoas falam muito no “novo normal”. O novo normal é ter carteira profissional, férias, 13º, seguridade. Tiraram para oferecer o quê? Nada, estão tirando os sonhos das pessoas”, observou o ex-presidente
  • Em entrevista ao ‘Diário do Centro do Mundo’, ex-presidente reagiu à nova farsa montada pela operação sob forma de mais uma “denúncia” contra o Instituto Lula. ”Qual o crime eu cometi? Eu dei soberania a esse país. Esse país tinha orgulho quando eu governava, cresceu, acabou com a fome, melhorou a renda. O crime que eu cometi foi o “crime” da ousadia, de que era possível permitir que os pobres participassem do orçamento da Federação, que pudessem tomar café, almoçar e jantar todo dia”, lembrou o ex-presidente. “Como eu sei que eles querem anular essa parte da história do Brasil, meu papel é defender esse legado”, ressaltou
  • Em entrevista à revista ‘Fórum’, ex-presidente reafirma importância do papel histórico e estratégico do Brasil na Região e sustenta que o país precisa recuperar soberania para fomentar progresso. “O Brasil não precisa ser subordinado aos EUA, não pode ter um presidente que faz o que o Bolsonaro faz, bater continência para a bandeira americana”, critica Lula, para quem Bolsonaro é um “lambe-botas” de Donald Trump. Ex-presidente relembrou participação americana nos golpes na América Latina, e em especial a farsa que resultou na Operação Lava Jato e derrubada de Dilma. “Todos os golpes têm o dedo dos EUA”
  • “Temos um governo que adora organizar milicianos, um governo que gosta de trabalhar com milicianos”, disse em entrevista à Rádio Con Vos, da Argentina. Aos argentinos, Lula afirmou que a principal preocupação do atual governo é facilitar o uso de armas. Lula também destacou que “Bolsonaro não disse ao que veio”, ao ser questionado sobre a situação do país diante da pandemia