7 evidências de que Bolsonaro mente quando diz que combate a corrupção

Corrupção no MEC a seu pedido, rachadinha, orçamento secreto, mansões para os filhos… Muitos fatos mostram que a honestidade de Bolsonaro é só mais uma de suas fake news

Site do PT

Sobram evidências de que Bolsonaro nunca foi honesto

Sem dúvida, a mentira é a maior aliada de Jair Bolsonaro. Foi com mentiras espalhadas durante as eleições de 2018 que ele se tornou presidente, e é com mentiras que ele governa, sem pudor algum. Para isso, ele utiliza não só as fake news que seu Gabinete do Ódio cria diariamente, mas também frases fajutas que repete sem parar para seus apoiadores. 

A mentira mais repetida por ele, segundo o site de checagem Aos Fatos , é a de que faz “um governo que está há três anos e meio sem corrupção”. De tanto ouvir essa mentira, os apoiadores dele acabaram acreditando e vivem a repeti-la. Pois da próxima vez que um deles disser isso, basta mostrar-lhe os dados abaixo.

1. Rei da rachadinha, Bolsonaro é suspeito desde a época de deputado

 Já está mais que constatado que Jair Bolsonaro, quando deputado, e seus filhos ganharam dinheiro empregando em seus gabinetes funcionários fantasmas que só ganhavam o cargo de assessor porque devolviam a eles parte dos salários.

O caso mais conhecido é o de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro na Alerj que fez movimentações suspeitas na ordem de R$ 1,2 milhão, incluindo cheques para a primeira dama, Michele Bolsonaro. Foi Bolsonaro quem indicou Queiroz, um antigo amigo, para trabalhar no gabinete de Flávio.

Mas existem muitos outros ex-assessores envolvidos nesse esquema, sendo que alguns passaram pelos gabinetes de mais de um membro da família Bolsonaro. Uma dessas pessoas é Andrea Siqueira Valle, ex-cunhada de Bolsonaro que foi flagrada em áudio contando que o atual presidente demitiu um assessor “porque ele nunca me devolve o dinheiro certo” (ouça no vídeo abaixo). 

2. A ligação com as milícias

O caso Queiroz serviu ainda para deixar mais clara a ligação da família Bolsonaro com as milícias que atuam no Rio de Janeiro. O gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj, que era comandado por Queiroz, empregava Danielle Mendonça Costa da Nóbrega, esposa de Adriano da Nóbrega, ex-capitão do Bope conhecido como Capitão Adriano e apontado como o chefe de uma quadrilha de milicianos, o chamado “Escritório do Crime”.

3. Já presidente, Bolsonaro foi incluído em 6 investigações

Hoje, Bolsonaro é investigado em seis inquéritos – cinco abertos pelo STF e um pelo TSE. São eles:

  • Interferência na Polícia Federal: Durante reunião ministerial, em abril de 2020, Bolsonaro deixou claro que desejava mudar a chefia da PF para evitar que os filhos fossem investigados
  • Prevaricação: Após receber a denúncia de que havia no Ministério da Saúde um esquema de corrupção para a compra de vacinas contra a Covid-19, Bolsonaro teria prevaricado, ou seja, não cumprido com seu dever
  • Divulgação de notícias falsas sobre a Covid-19: Desde o começo da pandemia, Bolsonaro falou muita mentira. A gota d’água, que o fez ser investigado, foi quando, numa live, sugeriu que a vacina pode transmitir o vírus HIV
  • Ataques às urnas eletrônicas: Bolsonaro cometeu um verdadeiro atentado à democracia ao espalhar mentiras sobre as urnas eletrônicas. Acabou virando alvo de investigação
  • Vazamento de dados sigilosos: Na sua ânsia de atacar o sistema eleitoral brasileiro, Bolsonaro acabou mostrando, ao vivo na internet, partes de uma investigação sigilosa da PF sobre um ataque hacker ao site do TSE. O ataque não mirava as urnas, mas Bolsonaro, como sempre, usou o fato para enganar as pessoas
  • O sexto inquérito (aberto pelo TSE) também tem relação com o ataque às urnas: após afirmar que tinha provas de que as eleições de 2018 haviam sido fraudadas, Bolsonaro foi intimado a mostrá-las. Só apresentou mais fake news.

4. Para continuar impune, comprou o Congresso com o orçamento secreto

De tanta coisa que aprontou, Bolsonaro não só passou a ser investigado como também virou alvo de mais de 100 pedidos de impeachment. Mas, como um processo judicial ou de impeachment só podem ser abertos após autorização da Câmara dos Deputados, Bolsonaro garantiu apoio da maioria dos deputados por meio do Orçamento Secreto. Ou seja, distribuiu dinheiro para que os deputados que o apoiam façam emendas à vontade.

5. Ministros flagrados em escândalos e um preso

Três ministros de Bolsonaro deixaram o governo suspeitos de envolvimento com corrupção: Milton Ribeiro (Educação) caiu depois que entregou (a pedido de Bolsonaro!) o orçamento do FNDE a dois pastores sem cargo oficial no MEC. Ribeiro foi preso em 22 de junho. Ricardo Salles (Meio Ambiente) saiu investigado por contrabando de madeira ilegal; e Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) deixou a pasta acusado de participar ativamente de um esquema de corrupção em Minas Gerais.

6. Se prega a transparência, por que decreta sigilo?

Foi durante a pandemia que surgiu outro escândalo do governo Bolsonaro: a decretação de 100 anos de sigilo ao processo administrativo sobre a participação do general Eduardo Pazuello em um ato político, no Rio de Janeiro, ao lado de Jair Bolsonaro. Ao participar do ato, o ministro e general quebrou as regras das Forças Armadas. Mesmo assim, não foi punido e seu processo, escondido do público.

7. Enquanto isso, os filhos vão morar em mansões

Mesmo diante de tantas denúncias, a família Bolsonaro não demonstrou um pingo de vergonha na cara nem qualquer sinal de que pretende parar de agir em benefício próprio. Em março de 2021, Flávio Bolsonaro adquiriu uma mansão de R$ 6 milhões em Brasília numa negociata no mínimo estranha. Cinco meses depois, descobriu-se que Jair Renan e a mãe, Ana Cristina Valle, ex-mulher de Bolsonaro, se mudaram para uma mansão de R$ 3,2 milhões, em outra negociação para lá de suspeita.

Da Redação

Tópicos:

LEIA TAMBÉM:

Mais notícias

PT Cast