Área PT

Saúde

  • Ex ministro da Saúde do governo Lula afirma que graças à resiliência do Sistema Único de Saúde o quadro brasileiro na pandemia não é mais grave. “Os 200 mil óbitos mostram que fomos derrotados por esse vírus, mas, sem o SUS, seria uma situação de barbárie social, o caos total”, afirma José Gomes Temporão, em entrevista ao ‘Globo’. “O Brasil é dos únicos países que conseguem em um único dia vacinar 10 milhões”. Enquanto isso, os EUA, que não dispõem de uma rede pública de saúde, atrasaram vacinações e correm risco de perder milhões de vacinas por incapacidade logística
  • Contágios batem recorde e chegam a 53,2 mil novos casos diários em média neste domingo (10). Do mesmo modo, a média de mortes superou a marca de mil óbitos, a maior desde 10 de agosto. Na Europa, Angela Merkel alerta que as próximas semanas serão as mais difíceis. Especialistas insistem que somente um rigoroso ‘lockdown’ poderá impedir o total descontrole do surto e evitar mais mortes. “É uma medida de curto prazo, que não faz o vírus desaparecer, mas reduz o número de casos para que outras sejam implementadas e tenham efeito a longo prazo”, afirma o pesquisador de Oxford Ricardo Schnekenberg”
  • Com os EUA batendo o recorde 4 de mil óbitos diários e o Brasil retomando ao patamar de mais de mil mortes em 24 horas, cientistas recomendam endurecimento de medidas de restrição. Juntos, os dois países somam mais de meio milhão de vítimas fatais, com 574.889 óbitos. “O Brasil precisa fazer algo muito parecido ao que aconteceu na Grã-Bretanha nos últimos dias: o lockdown”, adverte o neurocientista e coordenador do Comitê de Combate ao Coronavírus do Consórcio Nordeste, Miguel Nicolelis.
  • “Bolsonaro bloqueou tudo o que o Brasil tem para dar resposta adequada à pandemia da Covid-19, como já fizemos inclusive em outra epidemias”, acusou o deputado federal e ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (SP). “Ele colocou o País em um projeto da morte, sem testes suficientes, sem apoio às equipes de atenção básica de saúde, bloqueou o [programa] Mais Médicos, e estabeleceu uma guerra, um conflito com os estados e municípios, que ajudam o governo federal a coordenar o SUS”, lamentou. De acordo com o consórcio de veículos de imprensa, nesta quinta-feira (7), o país registrou 200.011 mortos e mais de 7,9 milhões de casos da doença
  • Em pronunciamento, ministro da Saúde Eduardo Pazuello não apresentou data para início da vacinação contra a Covid-19 mas disse que estão “asseguradas” 354 milhões de doses. “Desde do final dos anos 70 ministros ocupam a rede nacional para anunciar campanha de vacinação. Hoje, pela primeira vez na história, o anúncio não tem data e nem  local para vacinação”, criticou o ex-ministro da Saúde e deputado federal (SP) Alexandre Padilha. Ele chama a atenção para a falha “original” do plano de Bolsonaro: a falta de compromisso em vacinar toda a população
  • Descontrole sanitário é agravado já na primeira semana do ano e coloca o Brasil novamente na casa dos mil óbitos por dia: nesta quarta-feira (6), foram registradas 1.186 mortes em 24 horas. No levantamento dia anterior, foram 1.248 óbitos, encostando no pico de agosto, quando o país perdeu 1.271 pessoas em apenas um dia. “A equação brasileira é a seguinte: ou o país entra num ‘lockdown’ nacional imediatamente, ou não daremos conta de enterrar os nossos mortos em 2021”, alerta o neurocientista Miguel Nicolelis, coordenador do Comitê Científico do Consórcio Nordeste
  • Carta ‘Vacinar no SUS é um direito de todas e todos e um dever do Estado’ foi assinada por 29 instituições da área de saúde, entre elas o Conselho Nacional de Saúde (CNS). “Numa sociedade como a nossa, marcada por grotescas desigualdades sociais, é moralmente inaceitável que a capacidade de pagar seja critério para acesso preferencial à vacinação contra a Covid-19”, aponta a carta. “Bolsonaro atrasa a vacinação, favorecendo a rede privada. Paga com a vida quem não pode pagar pela vacina”, adverte Fernando Haddad