Posts arquivados em

Combate à fome

  • Em minicomício nesta sexta-feira (23), o candidato a prefeito de Manaus, Zé Ricardo (PT), afirmou que o combate à fome, que atinge mais de 600 mil habitantes na capital amazonense, será uma das prioridades de sua gestão. “Iremos cuidar do abastecimento alimentar e fortalecer o setor primário, garantindo a compra de alimentos da produção local para merenda escolar”, afirmou José Ricardo
  • Fim do auxílio emergencial, aliado ao abandono do Estado no combate à desnutrição e à miséria, podem deixar mais de 30 milhões de brasileiros em situação fome extrema, alerta idealizador do Fome Zero e ex-diretor da FAO, José Graziano. “Antes da pandemia, a faixa de pessoas mais vulneráveis já era de 15 milhões. Esse número pode dobrar facilmente se o auxílio emergencial for cortado ou o seu valor for insuficiente para comprar a cesta básica”, advertiu Grazino, em entrevista ao ‘UOL’
  • “Se esse Estado que está hoje colocado não entende que essa população precisa sair da situação de fome, temos que fazer uma mobilização da sociedade civil e criar esse enfrentamento com o Estado”, clama Adriana Salay, integrante das ações de combate à fome ‘Quebrada Alimentada’ e ‘Gente Nasceu para Brilhar’, em entrevista à ‘Folha de S. Paulo’
  • Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas foi premiado com o Nobel da Paz nesta sexta-feira (9) por também promover a paz “em áreas afetadas por conflitos”. “[A premiação é um] reconhecimento de que a fome tem sido ao mesmo tempo causa e consequência das guerras e conflitos desde sempre”, aponta o ex-diretor da FAO e criador do Fome Zero, José Graziano. Em 2014, no fim do governo Dilma, o país deixaria o Mapa da Fome da ONU, para onde agora retorna, com a asfixia social de Bolsonaro
  • Candidato do PT à Prefeitura de São Paulo pretende implementar o” São Paulo sem Miséria”, um amplo programa de inclusão social para resgatar mais de 600 mil paulistanos da extrema pobreza e reverter legado de descaso do PSDB. Entre as medidas estão o mapeamento de regiões vulneráveis para distribuição de alimentos, o fortalecimento da agricultura familiar, apoio a empreendimentos da economia solidária e a criação de restaurantes populares e cozinhas comunitárias para populações de baixa renda