Pandemia

  • Enquanto pandemia varre país, imprensa internacional continua repercutindo a péssima atuação do governo brasileiro diante da crise sanitária. “A doença de Bolsonaro é um símbolo poderoso da resposta fracassada de seu governo ao surto”, afirma a agência Reuters. Depois de chamar Bolsonaro de garoto-propaganda da hidroxicloroquina, a ‘Associated Press’ alerta para os perigos do uso da droga, que pode causar efeitos colaterais fatais. País perdeu mais de 69 mil brasileiros e superou 1,7 milhão de casos da doença
  • Projeto de Lei da deputada Rosa Neide (PT-MG) havia sido sancionado com vetos pelo presidente. Com base em ação apresentada pela Articulação dos Povos Indígenas, com apoio do PT e da oposição, Barroso determina ao governo criação de ‘Sala de Situação’ para a gestão das ações de combate à pandemia. Paulo Rocha: “Veto é uma das maiores crueldades já cometidas pelo presidente. É genocídio não prestar apoio neste momento”
  • Proposta prevê pagamento de indenização a profissionais que incapacitados e a dependentes, herdeiros ou cônjuge em caso de morte por conta da doença. Iniciativa dos deputados Reginaldo Lopes (PT-MG) e Fernanda Melchionna (PSol-RS), medida determina o pagamento pela União de compensação de R$ 50 mil aos profissionais e trabalhadores de saúde incapacitados permanentemente após contaminação
  • Em entrevista no Alvorada, presidente voltou a defender uso da hidroxicloroquina, medicamento sem eficácia comprovada no tratamento da doença cujos testes foram suspensos pela OMS. “Agora que Bolsonaro foi testado positivo para a covid-19, como fica a saúde das pessoas que tiveram contato com ele?”, questiona a presidenta do PT Gleisi Hofmann. “Ele é tão irresponsável que ainda recorreu à justiça para ter o direito de não usar a máscara e conseguiu. Também vetou o uso de máscara em locais de aglomeração”, aponta a líder petista. País tem mais de 66 mil óbitos e 1.643.639 casos confirmados
  • Em entrevista ao ‘Roda Viva’, da TV Cultura, o ex-candidato à Presidência da República Fernando Haddad advertiu que o país corre riscos: “O Brasil perdeu ao eleger Bolsonaro, uma pessoa sem nenhum compromisso com a democracia e com a gestão pública”. E denunciou: “Diante da pandemia, nós temos a pior gestão da crise do mundo em termos de saúde pública e econômicos”
  • Com registro de 1,6 milhão de casos e 65 mil mortos por Covid-19 no país, capitais como o Rio de Janeiro têm novas aglomerações, com milhares de pessoas sem máscara e sem respeitar distanciamento. Liderando marcha da insensatez no país, o presidente negacionista Jair Bolsonaro determinou que presídios e unidades de cumprimento de medidas socioeducativas estão desobrigados do uso de máscara, apesar dos alertas da comunidade científica sobre a letalidade do vírus
  • Ainda defendida por Bolsonaro como “o único tratamento que temos no momento”, a cloroquina teve seu uso definitivamente desautorizado pela OMS no final de semana. Recursos públicos foram investidos no Laboratório do Exército para superprodução do medicamento. Enquanto isso, investimentos em leitos e respiradores e equipamentos de proteção deixaram de ser feitos
  • Estudo conduzido na capital paulista pela Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) mostra que a população negra é infectada 2,5 vezes a mais por coronavírus do que a branca. Após coletas de sangue da população, números revelam que 19,7% dos participantes que se identificam como negros possuem anticorpos contra a covid-19. O percentual, no entanto, caiu para 7,9% entre os que se declararam brancos. Pesquisa da Universidade de Pelotas (RS) também confirma que população em situação de vulnerabilidade social está mais exposta à ação do vírus