Área PT

Saúde

  • Somente no mês de julho, cerca de 200 mil adolescentes foram infectados e mais de 200 morreram na região, aponta diretora da OPAS, Carissa  Etienne. No Brasil, com reabertura de bares e restaurantes e o plano de volta às aulas em alguns estados, especialistas temem agravamento do contágio entre a população jovem. Coordenador do Consórcio Comitê do Nordeste, neurocientista Miguel Nicolelis condena o que considera uma tentativa “obsessiva” de retorno à normalidade: “o mundo como conhecíamos morreu”, adverte. Nesta quarta-feira (12), o país registrou 103,4 mil  mortes e 3,1 milhões de casos de Covid-19
  • Em nova série de ataques a governadores e prefeitos, Planalto distribuiu a partidos da base aliada uma lista de estados e municípios com altos índices de casos e mortes por Covid-19, numa tentativa de associar os dados a adversários. “Será que Bolsonaro assumirá seus erros ou só jogará tudo na conta dos governos estaduais que têm tentando combater a pandemia com as ferramentas que possuem, sem nenhuma ajuda do governo federal?”, questiona o deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP). Mais de 60 parlamentares, representantes de institutos de pesquisa, professores universitários britânicos, entre outras personalidades, assinaram manifesto denunciando Bolsonaro pela negligência no combate à pandemia no Brasil
  • Agências de notícias e diários internacionais repercutem trágica marca de 100 mil mortos no país e omissão do Palácio do Planalto na resposta à pandemia. “Sua indiferença e falta de empatia não passam despercebidas”, ressalta a correspondente da ‘BBC’ e  especialista em América do Sul, Katy Watson. “Sua falta de liderança continua sendo profundamente preocupante, principalmente com a reabertura do país e o vírus ainda sem controle”, aponta Watson. Ex-técnico do Ministério da Saúde, Julio Croda revelou ao ‘New York Times’ que Bolsonaro fora alertado sobre o trágico patamar em março. “A Presidência não acreditou nesses números”, relata Croda. Em meio ao caos, ministro interino Eduardo Pazuello agora afirma que o governo apoia o isolamento social
  • Coordenador do Laboratório de Inteligência em Saúde da USP, Domingos Alves acertou previsão sobre patamar atual de vítimas fatais. “O plano é sacrificar o povo brasileiro para alcançar uma pseudo-recuperação econômica”, denuncia Alves, em entrevista à agência ‘AFP News’. Negligente, Bolsonaro fala em “mundo civilizado” enquanto promove barbárie de quase 100 mil mortos
  • Nesta quarta-feira (5), Ministério da Saúde noticiou 97.256 óbitos por causa da doença, ao mesmo tempo em que o país ultrapassou os 2,8 milhões de casos. Levantamento da Rede de Pesquisa Solidária, que reúne mais de 40 pesquisadores e entidades nacionais, indica que todos os estados estão nas zonas mais elevadas de risco de contaminação. “O momento da pandemia no Brasil é grave, não há nenhum estado com risco baixo”, afirma Tatiane Moraes de Souza, pesquisadora da Fiocruz. “Quando a gente naturaliza 100 mil óbitos, é como se não houvesse alternativa. E existe alternativa, existem políticas de controle da pandemia que podem ser adotadas”, alerta
  • Presidente vetou projeto de lei que estabelece compensação financeira de R$ 50 mil para médicos, enfermeiros e técnicos incapacitados permanentemente por causa da Covid-19 e para famílias de trabalhadores que morreram em decorrência da doença. Bancada petista na Câmara denuncia crueldade. “Na caneta do presidente Bolsonaro veio um tapa no rosto de cada trabalhador de saúde”, critica Alexandre Padilha (PT-SP), coautor do projeto com Reginaldo Lopes (PT-MG). “O veto mostra o desrespeito do presidente com quem está na linha de frente de combate ao vírus. Para Bolsonaro, é cada um por si e Deus por todos. Só não mexam com a família dele”, diz José Guimarães (PT-CE), líder da minoria