Área PT
Posts arquivados em

mortes por Covid-19

  • Com alta de casos e mortes por Covid-19, caos no sistema de saúde segue de Manaus para o resto do Amazonas e a fronteira com o Pará, onde sete pessoas de uma mesma família morreram por falta de oxigênio em apenas um dia. País tem 211.646 óbitos, 63,5 mil novos casos e agora soma 8,5 milhões de infecções. Média móvel de casos subiu 49% em comparação à de duas semanas atrás enquanto a de óbitos cresceu 33%. Pior da pandemia está por vir, alertam especialistas
  • País dispõe de doses para vacinar 4% dos grupos prioritários, com o primeiro lote garantindo a imunização de 2,8 milhões de pessoas. “Infelizmente, como o colapso estarrecedor e sem precedentes ocorrido na cidade de Manaus ilustrou de forma explícita, o Brasil vai precisar de muito mais do que vacinas eficazes e seguras contra a Covid-19 para escapar dos múltiplos colapsos”, alerta o coordenador do Comitê Científico do Consórcio Nordeste, Miguel Nicolelis, que defende a adoção urgente de um ‘lockdown’
  • Reportagem da ‘Agência Pública’ publicada nesta segunda-feira (18) revela que um relatório do Ministério da Saúde de 4 de janeiro apontava “possibilidade iminente de colapso” do sistema de saúde em Manaus. “O diagnóstico foi a principal conclusão de uma comitiva do Ministério da Saúde que visitou a capital do Amazonas mais de uma semana antes do colapso no sistema de saúde local”, diz a Pública, que destacou a reportagem em manchete. ”Exatos 10 dias depois, hospitais de Manaus esgotaram suas reservas de oxigênio com pacientes morrendo por asfixia”
  • Mobilização nacional, envolvendo governadores, prefeitos, parlamentares, entidades de saúde e demais setores da sociedade civil, age para evitar um agravamento do caos sanitário em Manaus (AM), onde pacientes estão morrendo por falta de oxigênio. Crescem pressões para aprovação do impeachment de Bolsonaro
  • “Leva tempo para dimensionar a produção de doses — não só em milhões, mas aqui estamos falando de bilhões”, afirma a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan. Até o momento, a imunização, que deve chegar a 70% da população mundial para ter eficácia, foi aplicada em menos de 0,5%, cerca de 28 milhões de pessoas. Com o avanço da Covid-19 – nos EUA, 4,5 mil pessoas morreram em um dia – especialistas reforçam aumento das medidas para prevenção do contágio. Brasil volta a bater recorde na média móvel de novos casos
  • Contágios batem recorde e chegam a 53,2 mil novos casos diários em média neste domingo (10). Do mesmo modo, a média de mortes superou a marca de mil óbitos, a maior desde 10 de agosto. Na Europa, Angela Merkel alerta que as próximas semanas serão as mais difíceis. Especialistas insistem que somente um rigoroso ‘lockdown’ poderá impedir o total descontrole do surto e evitar mais mortes. “É uma medida de curto prazo, que não faz o vírus desaparecer, mas reduz o número de casos para que outras sejam implementadas e tenham efeito a longo prazo”, afirma o pesquisador de Oxford Ricardo Schnekenberg”
  • Com os EUA batendo o recorde 4 de mil óbitos diários e o Brasil retomando ao patamar de mais de mil mortes em 24 horas, cientistas recomendam endurecimento de medidas de restrição. Juntos, os dois países somam mais de meio milhão de vítimas fatais, com 574.889 óbitos. “O Brasil precisa fazer algo muito parecido ao que aconteceu na Grã-Bretanha nos últimos dias: o lockdown”, adverte o neurocientista e coordenador do Comitê de Combate ao Coronavírus do Consórcio Nordeste, Miguel Nicolelis.
  • Agências e jornais estrangeiros apontam negligência do presidente Jair Bolsonaro no enfrentamento da pandemia que já matou mais de 200 mil brasileiros. “Enquanto muitos países impuseram novas restrições para limitar a propagação do vírus em meados de dezembro, o governo do presidente deu sua bênção para a diversão das férias de verão”, relata a ‘Associated Press’. Para a agência francesa ‘AFP’, o ano começou com “uma tempestade de controvérsias sobre falhas no plano de vacinação do governo e a contínua negação da Covid-19 pelo presidente de extrema direita”
  • “Bolsonaro bloqueou tudo o que o Brasil tem para dar resposta adequada à pandemia da Covid-19, como já fizemos inclusive em outra epidemias”, acusou o deputado federal e ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (SP). “Ele colocou o País em um projeto da morte, sem testes suficientes, sem apoio às equipes de atenção básica de saúde, bloqueou o [programa] Mais Médicos, e estabeleceu uma guerra, um conflito com os estados e municípios, que ajudam o governo federal a coordenar o SUS”, lamentou. De acordo com o consórcio de veículos de imprensa, nesta quinta-feira (7), o país registrou 200.011 mortos e mais de 7,9 milhões de casos da doença
  • Descontrole sanitário é agravado já na primeira semana do ano e coloca o Brasil novamente na casa dos mil óbitos por dia: nesta quarta-feira (6), foram registradas 1.186 mortes em 24 horas. No levantamento dia anterior, foram 1.248 óbitos, encostando no pico de agosto, quando o país perdeu 1.271 pessoas em apenas um dia. “A equação brasileira é a seguinte: ou o país entra num ‘lockdown’ nacional imediatamente, ou não daremos conta de enterrar os nossos mortos em 2021”, alerta o neurocientista Miguel Nicolelis, coordenador do Comitê Científico do Consórcio Nordeste
  • Índia pode impedir importação de 2 milhões de doses da vacina da Oxford. Segundo o Ministério da Saúde, são necessárias 104,2 milhões de doses apenas para vacinar os grupos prioritários, que somam 49,6 milhões de pessoas mas a pasta não garantiu nem mesmo as seringas e agulhas necessárias. “Não é despreparo a falta de seringas e agulhas pra vacinação contra covid-19 no Brasil, é atitude deliberada do governo pra desmontar o SUS e não salvar vidas”, denunciou a presidenta Nacional do PT e deputada federal Gleisi Hoffmann (PR)
  • Além da União Europeia, levantamento do site ‘Poder 360’ inclui México, Chile e Costa Rica entre os países que começaram a imunizar suas populações. Argentina inicia aplicação da vacina russa Sputnik V nesta terça-feira (29). Após afirmar não “dar bola” para pressão por início da vacinação, Bolsonaro não apresenta plano mas diz que “tem pressa”, ao mesmo tempo em que levanta desconfiança sobre a segurança de vacinas testadas e aprovadas. Pesquisadora da USP critica incompetência do governo e alerta que o país pode ficar sem cobertura caso a chinesa CoronaVac não seja aprovada. “Se a CoronaVac se mostrar ruim, estamos em um mato sem cachorro”, diz Natalia Pasternak